Receba conteúdo exclusivo sobre comércio eletrônico

Receba o nosso orçamento

Digite seus dados abaixo para que nossos consultores de vendas possam entrar em contato com você:

E-commerce B2B: Como deve funcionar uma loja virtual para atacado

Categoria: Blog, Plataforma Por Em 31 de maio de 2016

B2B e B2C

O e-commerce se popularizou no Brasil com as lojas virtuais varejistas, que vendem produtos por unidades e diretamente para o consumidor final. Mas o e-commerce B2B (business to business), que vendem para outras empresas no modelo de revenda (indústria vende para revendedor ou distribuidor vende para revendedor), está crescendo a passos largos nos últimos anos e têm muitas vantagens para as empresas que optam pelas vendas online.

Se você tem uma confecção de roupas e quer vende-las no atacado ou é distribuidor de produtos de higiene e beleza e quer vender para varejistas, o e-commerce B2B pode reduzir custos e aumentar a eficiência nos processos de compra e venda.

>>Leia também: Por que o atacado deveria investir mais na Internet.

No caso do e-commerce B2B, a plataforma utilizada não é exatamente igual a de uma loja virtual B2C (business to consumer), isso porque existem diferentes opções de políticas comerciais, formas de pagamento, rotinas contábeis diferenciadas e navegação (usabilidade) diferente para uma loja virtual B2B. Vou comentar melhor cada um desses pontos.

Políticas comerciais diferenciadas

As empresas B2B costumam ter políticas comerciais diferenciadas de acordo com o perfil de cada cliente, com criação de tabelas de preços, formas de pagamento e políticas de descontos diferentes para cada perfil. Portanto a plataforma de e-commerce B2B precisa oferecer a possibilidade de formatar essas políticas comerciais de acordo com o cliente que está realizando a compra, o que raramente está disponível em plataformas desenvolvidas para e-commerce B2C.

Formas de pagamento

As vendas de um e-commerce que vende para outras empresas geralmente são em grandes quantidades, com ticket médio bem acima da média de um varejo. Assim, as compras pagas no cartão de crédito são muito menos frequentes do que em lojas virtuais que vendem para o consumidor final. O boleto bancário e a transferência são formas mais utilizadas em vendas no atacado, por isso a plataforma precisa oferecer as opções de pagamento mais utilizadas no e-commerce B2B e de acompanhamento dessas transações.

Rotinas contábeis diferenciadas

A tributação no e-commerce para empresas B2B é bastante diferente da tributação sobre as vendas para o consumidor final. Por isso a plataforma de e-commerce precisa oferecer um rotina de cálculo tributário específica para este tipo de operação, levando em consideração questões como a venda para pessoas jurídica também contribuinte do ICMS, onde a alíquota praticada deverá ser a interestadual.

Navegação diferenciada

Esse é o ponto mais voltado para o cliente, que por ser uma outra empresa, tem o comportamento de compra diferente do consumidor final. Sendo assim, a usabilidade deve ser feita pensando na forma que o cliente compra, como ele espera visualizar os produtos e quais informações espera encontrar na loja. Em um atacado, as compras são feitas não mais em unidades, mas em dezenas ou centenas de produtos, por quilos e outras unidades de medida e este é apenas um exemplo do que deve ter de diferente na navegação de um e-commerce B2B.

São poucas as plataformas especialmente desenvolvidas para o e-commerce B2B, mas plataforma open source Magento é um exemplo que pode ser adaptada para o comércio eletrônico entre empresas. Aqui na Bleez temos alguns clientes de moda que oferecem tanto venda para o consumidor final quanto a opção de revenda em seu e-commerce desenvolvido por nós com Magento.

O mais importante é pesquisar bastante a plataforma que ofereça tudo o que o seu negócio precisa antes de escolher.