Hiper-Conectividade – Gestão de Pessoas e Negócios

11/10/2017 Trainer Br
4 min de leitura
1
Amou?

Post de convidado 

hiper-conectividade-bleez-ecommerce

À partir dos anos 90, as organizações deram uma atenção especial para a boa gestão de pessoas como um dos fundamentos para o sucesso de qualquer negócio.

Este período foi marcado por um fluxo de iniciativas das próprias organizações em parceria com as Empresas de Treinamento e Desenvolvimento com o objetivo de uma nova abordagem no relacionamento de colaboradores x organização.

Surgiram então alguns conceitos como os Stake-Holders, Sistemas de Gestão Matricial e também novas abordagens comportamentais como o MindFulness.

Todos estes novos conceitos aderentes desde o mais primário Curso de Liderança até os grandes projetos de desenvolvimento organizacional das grandes multinacionais.

Foram várias as razões para esta mudança de postura e o surgimento de novas abordagens se compararmos com o que se fazia entre os anos 70 e 90. Em especial, duas delas estão nos alicerces desta tendência:

A Globalização e a Hiper-Conectividade. Estes dois eventos foram os maiores responsáveis pelas fortes mudanças que experimentamos nos últimos 25 anos no tocante à gestão de negócios e pessoas.

A Hiper-Conectividade é filha da Globalização e o seu impacto na gestão de empreendimentos e pessoas provocou uma verdadeira revolução nas formas como fazemos negócios e em como as organizações se relacionam com seus colaboradores.

Hiper-Conectividade e Negócios:

Ao compararmos as plataformas de realização de negócios, prospecção de oportunidades e diálogo com os clientes, afirmamos com margem de erro zero, que tudo mudou mesmo.

As mídias do passado se resumiam ao marketing induzido por revistas, jornais, panfletos, eventos corporativos e o contato pessoal com os clientes. De forma geral não fugia muito disto. A TV e o rádio foram mídias importantes, mas de custo elevado e podendo ser utilizados somente pelas grandes organizações, como consequência sendo de uso restrito, assim é até nossos dias.

A Internet trouxe ao cenário algo tão inovador e poderoso que afetou diretamente todas as outras mídias que, de alguma forma, também tiveram de adaptar-se ao novo ambiente.

Ser cliente no passado era, em muitas oportunidades, estar limitado pela agenda, disponibilidade e alcance (distância) do fornecedor. Telefonemas, Telegramas, Telex e o Fax eram os melhores instrumentos de comunicação que as organizações tinham entre si e que ofereciam algum ganho de tempo e velocidade nas ações e operações corporativas.

Alcance mundial

A oferta de produtos e serviços agora tem um alcance mundial. Além de qualquer publicação na rede ser de alcance global também surge toda uma cultura de negócios on-line, o E-Commerce.

Um poderoso instrumento de negócios, instantâneo e ao alcance de quem estiver em frente à um dispositivo de rede em qualquer lugar do mundo. Lojas virtuais completas começam a pipocar na rede reunindo negócios de todos os matizes que possa imaginar.

No passado tudo era limitado ao que o anúncio suportava e ao deslocamento do interessado até o ponto de venda. Como opção havia a espera da visita do agente de negócios ao cliente. Ainda tudo muito lento.

Em nossos dias o cliente entra numa página e encontra todas as opções de produtos e serviços que possa imaginar, detalhamento técnico, imagens, disponibilidade de estoques, garantias, opções de pagamento e ainda um consultor on-line para casos de dúvidas. Tudo sem sair de casa ou do trabalho. Os negócios se tornaram instantâneos também.

Esta mudança gestou uma cultura de negócios on-line. On-line é muito mais do que conectado, entenda como instantâneo ou em tempo real. Também trouxe novos desafios, afinal ter um negócio on-line requer expertise tecnológica, conhecimento de marketing de rede e o suporte de experts em negócios ou lojas virtuais.

Não basta ter algumas páginas na rede se elas não forem percebidas por quem navega à procura de um produto ou serviço.

Hiper-Conectividade e Gestão de Pessoas.

Na gestão de pessoas também os novos desafios aparecem com enorme sutileza. As organizações tornaram-se globais reunindo colaboradores de todos os matizes culturais, hábitos e línguas.

A comunicação instantânea se tornou a tônica da gestão de pessoas e um poderoso instrumento de aproximação dos colaboradores das organizações. Alinhar estratégias, entender cenários e decidir ações em nível global tornou-se uma possibilidade também instantânea.

A capacitação de profissionais se tornou muito mais rápida. O Desenvolvimento de uma nova técnica, um novo produto ou um novo procedimento administrativo agora é realizado para grandes equipes e em diferentes pontos do país, ou mesmo do mundo, através de um Treinamento In Company em seu formato on-line.

Equipes são orientadas e capacitadas de qualquer ponto para qualquer ponto também em hiper-velocidade. A informação tecnológica e estratégias também estão na rede e em abundância.

Agora a gestão de pessoas não é somente dentro do mesmo espectro cultural, a gestão de pessoas é agora a gestão de diferentes modelos culturais, uma vez que uma nova forma de comunicação e gestão à distância não requerem mais a proximidade física entre pessoas, profissionais e organizações. O desafio agora, é a aproximação cultural.

Tendências Futuras

Não sabemos o que ainda se desenhará que possa aumentar este estado de super eficiência que a hiper-conectividade proporciona para pessoas e organizações.

Alguns entusiastas admitem a possibilidade de algoritmos inteligentes assumirem papéis de vital importância no direcionamento de negócios, estratégias, gestão de pessoas e de recursos na rede.

Alguns afirmam, como a Universidade de Oxford, que a I.A. (Inteligência Artificial) terá potencial para assumir em até 57 % de nossas atividades nos próximos 25 ou 30 anos, restando ao homem as atividades que exijam criatividade, inovação e tarefas não repetitivas.

Seja como for, uma coisa é fato, pessoas e organizações estarão cada vez mais conectadas.