Como as empresas podem se beneficiar das novas tecnologias

18/08/2020
5 min de leitura
0
Amou?

Esse artigo foi escrito por Natália Zamprogno, Analista na BitcoinTrade.

O desenvolvimento tecnológico tem facilitado várias dinâmicas do nosso dia-a-dia. Muitas empresas também estão acompanhando todas as tendências, adotando as novas tecnologias e sendo beneficiadas por elas.

Atualmente, existem tecnologias que podem automatizar diversas tarefas e agilizar os processos internos de uma organização. Para se manter competitivo, um e-commerce precisa também adotar essa infraestrutura e oferecer serviços mais rápidos e seguros. 

Confira algumas das principais tecnologias que já são hoje acessíveis ao mercado e que estão fazendo parte de diversas empresas. 

Chatbot de inteligência artificial

A inteligência artificial não é mais só uma história dos filmes de ficção científica e já faz parte de diversas tecnologias do nosso dia-a-dia. Para as empresas, um dos recursos em que ela está mais presente é no chatbot. 

O chatbot é uma ferramenta que responde os clientes no chat online do atendimento da empresa a partir de inteligência artificial ou respostas pré-programadas. Você provavelmente já conversou com um destes robôs ao entrar em contato com algum serviço. 

Além do suporte no atendimento, alguns chatbots também são utilizados para receber pedidos, agendar reservas em hotéis e restaurantes, divulgar produtos e realizar pesquisas com os clientes.

Com base na mensagem recebida, a inteligência artificial avalia o que está sendo pedido e busca a melhor resposta para o problema. Quando a ferramenta é bem configurada, essa comunicação inclusive se assemelha muito ao atendimento humano. Os robôs são programados de forma que procuram utilizar uma linguagem bastante natural para criar uma relação de proximidade com o cliente. Para que isso aconteça, eles se apoiam em tecnologias como a NLP (Processamento de Linguagem Natural) e o Machine Learning (Aprendizado de Máquina).

Quais são as vantagens do chatbot?

Os chatbots reduzem o tempo de espera no atendimento, fornecendo ao cliente respostas quase que instantâneas, além de funcionar também fora do horário comercial. Isso aumenta a satisfação do cliente e evita a frustração com a falta de respostas, o que muitas vezes faz com que os clientes recorram a outros meios, como, por exemplo, o ReclameAqui. 

Dessa forma, o chatbot colabora e muito com a reputação da empresa. Para serviços que possuem uma grande quantidade de clientes, esse tipo de dinâmica pode ser de extrema importância ao evitar as filas de atendimento no chat e no telefone. 

Além disso, ao reduzir a necessidade de interação humana, o chatbot reduz gastos da empresa e otimiza as demandas da equipe de atendimento. Os atendentes humanos, dessa forma, conseguem focar em situações mais complexas que exigem sua intervenção para solucionar o problema. Durante isso, interações mais simples e corriqueiras ficam nas mãos dos atendentes de inteligência artificial.

Blockchain

O blockchain é uma tecnologia lançada em 2009 que permite transferências financeiras com mais rapidez e segurança do que os sistemas tradicionais. Você provavelmente conhece a sua moeda virtual, o bitcoin, mas você sabia que o blockchain também tem aplicações na “vida real”?

Diversas lojas virtuais já aceitam os bitcoins, facilitando e agilizando os pagamentos e evitando problemas como, por exemplo, a demora na confirmação da compra. Além disso, o pagamento com criptomoedas também derruba as barreiras entre países. 

Mas além dessas transações financeiras, o blockchain é um sistema de computação distribuída que também pode ser aproveitado para algumas outras atividades, até mesmo não relacionadas à questões monetárias. Cada empresa pode avaliar como se beneficiar dessa moderna tecnologia da melhor forma. 

Já imaginou conseguir otimizar todo o controle de estoque? Atualmente, grandes redes de supermercado estão utilizando o blockchain para registrar a identificação de cada um de seus produtos e os seus destinos. Também estão rastreando alimentos e acompanhando todo o processo da cadeia de produção. 

Como funciona o blockchain?

É provável que daqui para frente o blockchain esteja presente em nossos cotidianos cada vez mais. Mas para entender tudo que será possível fazer com essa tecnologia, é importante saber como ela funciona. Pois bem, o blockchain, como o nome já diz, é uma “cadeia de blocos”. Ele funciona como se fosse um livro-razão em que as transações são registradas de forma permanente. 

Cada transação e suas informações são registradas em um bloco, que vai se interligando aos outros, formando essa cadeia. Esse livro-razão é compartilhado de forma mútua e simultânea entre inúmeros computadores ao redor do mundo. Trata-se de um sistema descentralizado, não havendo uma autoridade superior no controle. Para que uma transação seja validade, esses computadores precisam chegar em um consenso. E caso haja algum problema técnico, fraude ou adulteração, esse livro-razão permanece vivo e seguro em todos os outros computadores que participam da rede. 

Esses computadores que trabalham validando as transações e mantendo o funcionamento do blockchain são os chamados mineradores. Eles processam cálculos complexos, e como recompensa por este gasto de eletricidade, recebem bitcoins. É assim que essas moedas digitais são criadas e entram em circulação no mercado. Desde o seu surgimento, esse modelo foi se tornando mais popular e o valor da criptomoeda cresceu. Com isso, muitas pessoas perceberam a possibilidade de investir em bitcoin. É justamente por causa do mercado financeiro que talvez você já tenha ouvido falar em bitcoin e blockchain. 

O fato é que, para além das questões financeiras, de modo geral o blockchain possibilita o registro, compartilhamento e transferência de documentos e dados, de forma rápida, segura e imutável. Até mesmo para a realização de votações esse modelo tecnológico já está sendo considerado. As possibilidades são infinitas.

Armazenamento em nuvem

Na computação em nuvem, os dados não são armazenados em um objeto físico, mas sim na nuvem, podendo ser acessados por qualquer dispositivo com permissão para tal e conectado à internet.

Se você já passou as fotos do seu celular para a nuvem com medo de ter seu aparelho roubado ou perdido, você entende como esse tipo de armazenamento pode trazer segurança. Para os dados e arquivos de uma empresa, isso não é diferente. Computadores, notebooks e HDs externos podem sofrer problemas técnicos, além de também serem perdidos ou roubados, de modo que todas as informações da empresa estariam em risco. 

A importância do armazenamento em nuvem é, além de ter todos os dados sempre à disposição, mantê-los também seguros da melhor forma possível. Outra vantagem é que a computação em nuvem permite reduzir ou expandir o uso de dados bastando alterar a assinatura do serviço, em vez de precisar comprar novos equipamentos, o que diminui os custos em hardware. 

Quais são os tipos de armazenamento em nuvem?

O armazenamento em nuvem apresenta três categorias: nuvem pública, privada e híbrida. A nuvem pública você já deve conhecer: é como a Amazon e o Google, por exemplo. São redes abertas, que podem ser acessadas por outros usuários. Já a nuvem privada é criada de forma exclusiva para determinada empresa, e só ela pode controlar e acessar a mesma. 

Existe também a nuvem híbrida, que combina estes dois tipos. A empresa pode armazenar determinados dados em uma nuvem privada, mas também utilizar serviços da rede aberta. Os dois ambientes são gerenciados juntos. 

A escolha de qual serviço em nuvem adotar vai depender das necessidades de cada empresa e do número de recursos que serão utilizados. Existem diferentes planos de assinatura, e a organização pode escolher o que melhor se adéqua ao seu momento. 

E você? Quais novas soluções já considerou para seu e-commerce? 

Esse artigo foi escrito por Natália Zamprogno, Analista na BitcoinTrade