O que é e-commerce?

26/10/2016 Bruno Viana
3 min de leitura
0
Amou?

O que é e-commerce - agência bleez

E-commerce não é a mesma coisa de loja virtual. Não é como bolacha e biscoito que são duas palavras para a mesma coisa.

E-commerce se refere ao setor de vendas pela Internet de uma forma geral. Enquanto isso uma loja virtual é o site onde vai ter produtos cadastrados e através dele os clientes podem fazer pedidos e efetuar pagamentos.

“Isso significa que vender usando WhatsApp e Facebook também é e-commerce?”

A resposta está… exata!

Na verdade o conceito de comércio eletrônico é tão velho quanto comemorar Natal no fim do ano. Há tempos as empresas mandavam catálogos para as casas de possíveis consumidores para eles comprarem por telefone.

Mas eu ainda acho que era pior, pois a transação financeira era através de do que eu chamo de MDNSCC, que significa “me dá o número do seu cartão de crédito” (não, a sigla não existe, foi só uma piadinha).

A construção de confiança para o cliente comprar e a logística são bem parecidas com o e-commerce atual, mas algumas coisas hoje, por causa da tecnologia, são um pouco mais diferente divertidas.

O que muda?

Algumas vantagens e desvantagens são bem batidas como: seu produto está disponível 24/7, mais pessoas podem te conhecer, você pode vender para pessoas de outros estados sem precisar abrir uma loja física fora da sua cidade etc, etc e tal.

Mas eu diria que o grande destaque de você vender pela Internet é a capacidade que você tem de mensuração, inclusive do retorno dos investimentos em marketing.

Se você paga por um outdoor é bem próximo do impossível saber de fato quantas pessoas compraram de você por terem visto aquele outdoor específico. Com a Internet é inteiramente possível saber quais banners mais te trouxeram visitantes e vendas.

É possível saber quantas pessoas visitaram seu site, quais suas cidades, qual seu comportamento de compra, etc. Assim o ato de vender sai um pouco do feeling do vendedor (também conhecido como achismo) e vira mais uma questão de análise de dados.

Ter loja virtual ou vender pelo Facebook?

O Facebook não é a melhor plataforma para divulgar os produtos e fazer vendas mas funciona. Você pode jogar a foto dos seus produtos e contar com a boa vontade das pessoas de verem seu produto e usarem os comentários para pedir mais informações, retirar dúvidas, saber os tamanhos e cores que ainda tem disponiveis e fazerem o pedido.

Trabalhando dessa forma você deixa de ter muitas coisas inclusive as mensurações que citei no tópico anterior.

Você deixa de aparecer no Google, você não consegue automatizar o processo de vendas, fazer promoções fica mais difícil, é mais complicado manter um cadastro de clientes para fazê-los voltar e comprar novamente e, como eu disse, você tem que contar com a boa vontade do cliente de confiar em você e comprar.

Ter uma loja virtual pode fazer muita diferença, principalmente se você tem um trabalho de layout bem feito e aplica algumas dicas para aumentar a confiança das pessoas de comprar de você.

Eu não sou completamente contra usar o Facebook. Acho que tudo é uma questão de momento. Se você está começando bem pequeno, criando seus produtos dentro de casa, o Facebook é uma ótima ferramenta para dar a partida. Mas de acordo que sua marca vai crescendo você vai precisar cada vez mais de uma plataforma que te permita realizar mais tarefas em menos tempo e que traga confiança aos possíveis consumidores.

O que é preciso saber?

Eu costumo dizer que e-commerce é igual ao varejo tradicional mas é diferente.

São semelhantes por que todo processo burocrático de uma empresa você terá.

Sim, está tudo lá: retirar CNPJ, Inscrição Estadual, Código de Defesa do Consumidor, etc. Ao mesmo tempo você precisa conhecer bem o produto que você vende e quem é que precisa dele.

Mas é diferente por que a forma de vender tem diferenças marcantes, além de você ser um total dependente da tecnologia. Sem ela o “e” do e-commerce não existiria.

Você não precisa saber de tecnologia para vender, mas precisará ter os parceiros e fornecedores certos para não ficar na mão.